sábado, 12 de dezembro de 2015

MISTERIOSO ESPECIAL "SÍLVIO SANTOS 85 ANOS": O "PATRÃO" TOPA OU NÃO TOPA?

Personagem conhecidíssimo dos lares brasileiros, o apresentador Sílvio Santos completa 85 anos hoje, 12 de dezembro! Só na Televisão são 54 anos de carreira! Segundo várias notícias em diversos sites na internet, o SBT está preparando um mega-especial com aproximadamente 2 horas e meia de duração com depoimentos de vários artistas do SBT e dos seus concorrentes, como Faustão, Xuxa, Boni, Gugu Liberato, Rodrigo Faro - tido por muitos como um provável sucessor de Sílvio - César Filho, Luciana Gimenez, Ratinho, Carlos Alberto de Nóbrega, entre muitos outros. 




O especial contará também com nomes da música brasileira, como o Rei Roberto Carlos, que vai cantar à capela a famosíssima e auto explicativa canção "Sílvio Santos vem aí"! 




Além das celebridades já citadas, o "Homem do Baú" receberá homenagens de outros artistas, como Bárbara Paz, o dono da Record, Edir Macedo, e Jô Soares - que trabalhou 12 anos no SBT - e ainda nomes ligados à política, como a Presidente Dilma Roussef e os ex presidentes Luís Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso.



O Homem do Baú já apresentou mais de 114 programas!  Aqui ele protaganiza mais uma vez a Capa da Revista "Amiga" de 1975.




A questão, no entanto, gira na "aura de mistério" que ronda o enigmático especial, já que nos sites que pesquisamos - e não foram poucos! - nenhum deles afirma o horário da homenagem. Nem mesmo no site oficial do SBT consta a atração na pauta da programação de hoje. O site http://zh.clicrbs.com.br levantou ainda a hipótese do tributo ser exibido amanhã no horário do próprio Programa Sílvio Santos.


Sílvio Santos e Roberto Carlos, provavelmente no Troféu Imprensa; encontro de Majestades

 E aí, claro, vem a pergunta que não quer calar: veto do patrão ou uma tática para alavancar o ibope da emissora? É esperar pra ver... Enquanto isso, quero saber a sua opinião: deixe seu comentário abaixo!


"Sílvio Global":O Dono do SBT trabalhou na Rede Globo de 1965 a 1975, quando saiu para montar o seu próprio canal de TV.  Recentemente a Globo resolveu ousar e prestou um tributo  ao Rei da TV, com imagens raras do animador na "Vênus Platinada"


E para registrar esta data emblemática, selecionamos um vídeo com um dos melhores momentos dessa lenda viva dos palcos televisivos. Vale a pena conferir!! Vida longa ao maior comunicador da História da Televisão Brasileira!!! E com vocês, Senor Abravanel, o Mestre Sílvio Santos!



video














domingo, 12 de julho de 2015

ENTRE A VIDA E A MORTE, A LIÇÃO DE OURO DE ROBERT MOORE!!!

Olá, meus amigos! Tudo joia com vocês?

Hoje, tenho a honra de trazer pra vocês uma História incrível. Ela está contida em um dos livros mais marcantes que eu já li: “Como Evitar Preocupações e começar a viver”, do escritor ianque Dale Carnegie.O consagrado autor americano tem uma maneira muito peculiar de escrever: ele redigia tecendo relatos de inúmeras pessoas famosas da época (1948) que ele transcrevia literalmente nos seus livros.

Pois bem. Um dos seus relatos foi narrado por um homem chamado Robert Moore, de Maplewood, região situada no Estado norte americano de Nova Jersey. Ele conta sua experiência dramática ocorrida em pleno fim da Segunda Guerra Mundial que, sem exagero algum, é uma lição magnífica para mim, para você e todos os amigos que estiverem dispostos a aplicar a essa lição de Ouro!!! Por respeito ao autor, transcrevemos o texto ipsis litteris de acordo com o original. Colocamos apenas grifos em negrito e itálico para dar mais vida ao texto!
Vamos, venha comigo, viajar no tempo!!

Eis a História, Abraços Cabralinos e... com a palavra, DALE CARNEGIE:

“‘Recebi a maior lição da minha vida em março de 1945’,  disse-me ele. Aprendi-a sob 276 pés de água de profundidade, ao largo das costas da Indochina. Eu era um dos oitenta e oito homens a bordo do submarino Bay S. S. 318. Descobríramos, por meio do radar, que um pequeno comboio japonês navegava em nossa direção. Ao aproximar-se a madrugada, submergimos para o ataque. Vi, através do periscópio, um destroier da escolta, um navio-tanque e um lança-minas japonês.  

Disparamos três torpedos contra o destroier, mas erramos o alvo. Alguma coisa não funcionou direito no mecanismo dos torpedos. O destroier, sem saber que fora atacado, continuou na mesma marcha. Estávamo-nos aprontando para atacar o último navio, o lança-minas, quando, subitamente, ele descreveu um círculo e veio em nossa direção. (Um aeroplano japonês nos havia localizado a uma profundidade de sessenta pés e radiografado a nossa posição para o lança-minas.)

Descemos a 150 pés para evitar que o inimigo nos descobrisse e se aparelhasse para uma carga de profundidade. Colocamos ferrolhos extras nas comportas e, a fim de tornar o nosso submarino absolutamente silencioso, paramos as hélices, o sistema de refrigeração e o aparelhamento elétrico.


O Livro "Como Evitar Preocupações e começar a viver" na versão em inglês 


Três minutos mais tarde, o céu veio abaixo. Seis cargas de profundidade explodiram em torno do nosso barco, impelindo-nos para o fundo do mar – a 276 pés de profundidade. Estávamos horrorizados. Um ataque a menos de mil pés de água é perigoso; a menos de quinhentos pés é quase sempre fatal. E estávamos sendo atacados a pouco mais de metade de quinhentos pés de água – com água pelos joelhos, por assim dizer, quanto à segurança.

Durante quinze horas, o lança-minas japonês continuou atirando cargas de profundidade. Se uma carga de profundidade explodir num raio de dezesseis pés de um submarino, a concussão abrirá um rombo em seu casco. Dezenas de tais cargas de profundidade explodiram a cinquenta pés de onde estávamos. Recebemos ordem de ‘segurar’ – ficarmos quietos e calmos em nossos leitos.


"Dale Carnegie en español":  Suas obras mais conhecidas "Como fazer amigos e influenciar pessoas" (1936), "Como Evitar preocupações e começar a viver (1948) e "Lincoln, esse desconhecido" (1932)  venderam milhões de exemplares, foram traduzidas para dezenas de idiomas e ganharam o mundo!


Eu estava tão horrorizado que mal podia respirar. ‘Isso é a morte’, repetia, de momento a momento, a mim mesmo. ‘Isso é a morte! . . . É a morte!’ Com os ventiladores e os sistemas de refrigeração parados, a temperatura, dentro do submarino, era de mais de cem graus Fahrenheit, mas eu estava tão gelado de medo que vesti um suéter e uma blusa guarnecida de peles.  E ainda continuava tiritando de frio. Batiam-me os dentes. Escorria-me pelo corpo um suor frio e pegajoso.

O ataque durou quinze horas. Depois, cessou subitamente. Ao que parecia, o lança-minas japonês esgotara o suprimento de cargas de profundidade e fora embora. Aquelas quinze horas de ataque pareceram quinze milhões de anos. Toda a minha vida me passou pela memória. Lembrei-me de todos os erros que cometera, todas as pequenas coisas absurdas com as quais me preocupava.

Antes de alistar-me na marinha, trabalhava num banco. Preocupava-me com as longas horas de trabalho, o pequeno salário que recebia, as escassas possibilidades de melhoria. Preocupava-me porque não podia comprar uma casa para viver, porque não podia comprar um carro novo, porque não podia comprar belas roupas para minha mulher. Como odiava o meu antigo chefe, que vivia sempre a resmungar e a censurar-nos!

Lembrei-me de que costumava ir para a casa, à noite, amargurado e exausto, e de que sempre discutia com a minha mulher por motivos fúteis. Vivia preocupado com uma cicatriz que tinha na testa – um corte horrível sofrido num acidente de automóvel.

Como todas essas preocupações pareciam sérias anos atrás! Mas como pareciam absurdas naquele momento, em que grandes cargas de profundidade me ameaçavam enviar para o outro mundo! Prometi a mim mesmo que, se tornasse a ver o sol e as estrelas, jamais, jamais me preocuparia novamente com coisa alguma. Jamais! Jamais! Jamais!!! Aprendi mais sobre a arte de viver, naquelas quinze horas terríveis, dentro daquele submarino, do que nos livros em que estudara, durante quatro anos, na Universidade de Syracuse ”

(CARNEGIE, Dale, “Como Evitar Preocupações e começar a viver”. Tradução de Brenno Silveira e revista por José Antônio Arantes de acordo com a Edição americana de 1984 aumentada por Dorothy Carnegie. – 33ª   ed. – São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1998, p 85 – 87.)


segunda-feira, 29 de junho de 2015

SHOW DE HUMOR - E COM HISTÓRIA!!!



Alô, meus queridos amantes das Histórias! 

Olha só a novidade que eu trouxe para vocês!

Todo mundo sabe que atualmente há várias formas de inovar na sala de aula: aulas com  imagens, aulas com música, jogos, dinâmicas, filmes, aulas de campo...  Além disso, quando o Professor ministra uma aula com humor - especialmente nas aulas e aulões de cursinhos pré-vestibulares e ENEM - os alunos costumam comentar: "aquele Professor é a maior comédia". 

Mas normalmente as "piadinhas" e "tiradas" que os Professores fazem geralmente são curtas, ou sejam, duram apenas alguns minutos - ou mesmo segundos - só pra descontrair um pouco da tensão das aulas e logo voltam para o tema. Mas uma aula inteira planejada só sobre humor e ainda assim aprender o conteúdo vocês já ouviram falar?

Pois bem: aliando o humor ao ensino de História, o Historiador e comediante Matheus Buente se apresentará amanhã, dia 30.06, na cidade de Salvador, com o espetáculo "Rindo e Contando Histórias", no Museu Tempostal, situado no Pelourinho.*

Matheus Buente. O artista também possui um canal de humor no Youtube.


O "Show" tem como proposta fazer uma ousada mistura de aula de História local com o estilo "stand up comedy", na qual Buente discorrerá de forma bem humorada e divertida sobre temas importantes da História da Bahia e que estão conectadas tanto com as exposições como com o acervo do Museu. 

O comediante vai falar sobre a fundação da capital soteropolitana, comentando a respeito do povoamento urbano, as invasões, e a relevância econômica e estratégica da capital baiana.

Parabenizamos a versatilidade de Matheus Buente - Historiador e comediante, uma mistura difícil e muito rara de se ver - e saudamos a sua iniciativa de aproximar o stand up à História, para facilitar a construção de um canal comunicador entre a História e a sociedade. Uma ideia de artista!!

RESUMO:

Espetáculo: Rindo e Contando Histórias
Onde fica o local: Rua Gregório de Matos, 33,  Museu Tempostal, Pelourinho - Salvador, Bahia.
Dia: 30 de junho
Horário: 15 h (três da tarde)
Valor: entrada gratuita!!
Contato:  (71) 3117-6383

*Para os amigos estrangeiros que acompanham o Blog, o Pelourinho é um  famoso bairro do Centro Histórico de Salvador, que possui um conjunto arquitetônico da arte barroca portuguesa, o qual se encontra preservado pelo Patrimônio Histórico da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Fonte: wikipedia.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

WATERLOO, 18.06.1815: O DIA EM QUE NAPOLEÃO PERDEU A - ÚLTIMA - GUERRA

Olá, meus amigos amantes das Histórias! Tudo bem com vocês?

Hoje, 18 de junho de 2015, é um dia historicamente inesquecível: a França, Bélgica, a Inglaterra, a Alemanha, a Europa, e o resto dos países do mundo estão comemorando o Bicentenário da memorável e emblemática Batalha de Waterloo, o fatídico conflito que selou definitivamente o destino final de Napoleão Bonaparte e que mudou a História da França e da Europa no transcorrer do século XIX.

Para comemorarmos os 200 anos de Waterloo, vamos falar um pouco sobre o assunto.

Waterloo é mais que uma batalha: é uma lenda, cujo nome já foi título de filmes, músicas e até mesmo jogos! Mas afinal o que é Waterloo? É uma pequena cidade de aproximadamente 30.000 habitantes localizada no distrito de Nivelles na Bélgica. Foi justamente nas proximidades desse local que Napoleão escolheu para fazer o seu combate final: se vencesse, a França mostraria a Europa que estava de pé. Se perdesse, simplesmente tudo estaria em jogo: o exército, o trono, o Império Francês e até a própria vida. 

Confira as imagens!

Foram 118.000 aliados - ingleses, prussianos e holandeses - contra 72.000 franceses, incluindo o próprio Imperador que estava no campo de batalha!

Maré baixa: ao contrário das batalhas gloriosas anteriores, dessa vez o Exército estava mal preparado e foi recrutado de última hora. Como se não bastasse, Bonaparte estava endividado com as fábricas de armas, que não queriam vender munição para o Imperador da França. Apesar de tudo isso, não foi nada fácil derrotar Napoleão. A batalha foi duríssima: o próprio Duque de Wellington, o arqui-inimigo de Napoleão, admitiu que a Batalha de Waterloo foi "a mais renhida* que assisti na minha vida"

*Renhido: "Disputado com grande paixão; em que há grande violência (luta renhida)". A fonte: é do respeitado Dicionário CAUDAS AULETE. Os dois sentidos de renhido se aplicam no caso de Waterloo, especialmente o segundo significado.


FIQUE POR DENTRO DA BATALHA:

(UTILIZE CONTROL + PARA AMPLIAR)




(Aperte CONTROL + PARA AMPLIAR)


REFERÊNCIAS:

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/06/bicentenario-de-waterloo-reaviva-feridas-do-turbulento-continente-europeu-4783931.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Waterloo_(B%C3%A9lgica)

http://www.aulete.com.br/renhido

PARA SABER MAIS:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/06/europeus-lembram-200-anos-da-derrota-de-napoleao-em-waterloo.html

http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-napoleao-perdeu-a-guerra

https://www.youtube.com/watch?v=LDB_NC3XYCw

https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Waterloo

http://observador.pt/especiais/ha-200-anos-o-fim-de-napoleao-em-waterloo/

quinta-feira, 4 de junho de 2015

FERNANDO DE NORONHA: TURISMO E ECOLOGIA

Olá, meus caros Amantes da História e da Cultura!!! Tudo bem com vocês? 




Em clima ecológico - afinal hoje é 5 de junho, dia Mundial do Meio Ambiente!! - trago um texto gentilmente cedido pela minha amiga, Karina Maia,  que foi matéria da tradicional Revista Foco Nordeste do mês de abril. 
Trata-se de um post que retrata toda a sensação de fascínio e deslumbramento que ela experimentou quando esteve em Fernando de Noronha! 
Que na sua leitura você consiga se transportar para as sensações maravilhosas descritas por Karina Maia. Venha, vamos começar nossa viagem!...
Abraços Cabralinos =) 
Cabral Lima





FERNANDO DE NORONHA: TURISMO E 


ECOLOGIA



Por Karina Maia

E-mail: akakamaia@hotmail.com



         Ao chegar pela primeira vez em Fernando de Noronha, deparei-me, como qualquer outro turista, com uma “verdadeira maravilha da natureza”, a mesma visão e definição dada pelo navegador Américo Vespúcio, o pioneiro a descrever, em 1503, o arquipélago. Visitar os encantos de Fernando de Noronha é como um mergulho em sonho potencializado por cores muito mais vibrantes que as do nosso cotidiano e exibidas, quimericamente, na realidade de um oceano que - de tão perfeito - parece tingido por uma mistura de tintas exuberantemente azuis.




             Obra de arte concebida pelo ócio, onde o sol dourado emoldura o que na terra mais se assemelha com o Paraíso descrito nos textos bíblicos: natureza divina, intocada pelo ser humano que a mantém como um sinal de que Deus existe e está presente em cada grão de areia que compõe aquele cenário singular. “Noronha é um sonho do qual ninguém quer despertar.”

O Arquipélago de Fernando de Noronha: espetáculo natural de cores

             Por ser paraíso, contém místicas e lendas. Luís da Câmara Cascudo (1898 - 1986), em seu “Dicionário do Folclore Brasileiro”, descreve os “encantamentos” de Alamoa [1], o duende feminino da Ilha de Fernando de Noronha: “O nível corpo é mal coberto pela coma loira que vai quase ao chão. Ela habita a “Pedra do Pico” e seduz os passantes... Aqueles que sucumbem aos seus encantos veem-na se transformar em mito que assusta e apavora”.



Dicionário do Folclore Brasileiro,  obra monumental 
publicada em 1954 pelo  folclorista, antropólogo, jornalista, historiador e advogado natalense 
 Luís da Câmara Cascudo e  referência mundial no tema!!!

      Diferentemente do que se cogita à Alamoa, habitante fabular desse éden tropical, quanto mais se conhece Noronha, mais se vê beleza e formosura. Ali a vida pulsa intensamente, dentro e fora da água, indo e vindo e acompanhando o balanço das ondas abençoadas; nitidez genuína da água que prova ser viável, desde que haja respeito ao meio ambiente – o lar de todos nós - , a interação entre os seres vivos e o ecossistema, tornando, assim, possível nadarmos com tubarões, tartarugas, arraias gigantes e tantas outras espécies marinhas.


          Após a primeira viagem à Noronha, surge uma sensação do tipo: “por que não havia ido antes?” Distante apenas 360 km de Natal, RN. Por isso, recomendo principalmente ao natalense: se possível, vá o mais rápido que você puder. Vá conhecer praias belíssimas, tanto do mar-de-dentro como do mar-de-fora, tais como Sancho, Praia da Cacimba do Padre, Baía dos Porcos, Ponta da Sapata, Praia do Cachorro, Praia da cacimbinha, Praia do Meio, Baía Sueste, Baía dos Golfinhos. 


Baía do Sancho em Fernando de Noronha já foi  reeleita em 2015 a mais bela praia do planeta pelo site de viagens "Trip Advisor".  O "Traveller´s Choice Awards"leva em conta as
 praias mais bem avaliadas pelos usuários nos últimos 12 meses.



Fonte:  http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2015/02/baia-do-sancho-em-noronha-e-eleita-melhor-praia-do-mundo-pela-2-vez.html



        Não deixe de ir ao alto mar fazer um mergulho de batismo subaquático... é incrível! Não menos maravilhoso é fazer um passeio de barco que, além de mostrar a beleza da ilha, proporciona o prazer diferenciado de navegar juntinho com os serelepes e saltitantes golfinhos. Outra opção imperdível é caminhar por várias trilhas existentes em Noronha, caminhos cheios de beleza e aventura. 

Na Baía dos Golfinhos há o Show dos golfinhos rotadores. Já no mirante, você poderá assistir ao "desfile" de centenas deles acompanhados com seus filhotes, uma apresentação mágica vista em poucos lugares do planeta!!!   Extraordinário!!!





             Em Noronha, come-se muito bem. Há restaurantes onde a alta gastronomia não é esquecida, alguns excelentes: o Varanda, o Xica da Silva, o Pico, o restaurante do Zé Maria,  o Triboju. Existe, por lá, também, opções de "self-service" mais em conta. A Ilha tem toda a estrutura para uma viagem dos sonhos....



          Fernando de Noronha é destaque entre as melhores práticas de gestão e inovação no Índice Competitividade, uma iniciativa do Ministério do Turismo e Sebrae. Nesse contexto, há ações voltadas para fomentar o turismo na ilha sem prejuízo de preservar a verdadeira identidade e finalidade do paraíso chamado Noronha: “turismo ecológico”.  Assim, contém-se o risco, em fase inicial, de vincular aquele santuário ao turismo de luxo e à prática de preços exorbitantes.


Arquipélago é composto de 21 ilhas, possui  área de 26 km e recebe em média 60.000 turistas por ano, incluindo celebridades. Na foto, a repórter e bailarina Carla Prata, que escolheu a ilha para passar sua lua de mel: “Foram dias incríveis, num lugar mais incrível ainda. Eu ainda não conhecia e fiquei encantada”, conta a modelo.

Principais pontos turísticos pra você aproveitar ao máximo todas as maravilhas que o Arquipélago oferece! 

Fonte: http://www.ilhadenoronha.com.br/ailha/mapa_noronha.php



Fonte: Revista FOCO NORDESTE, edição de abril.
Visite a página do facebook da Coluna de Karina Maia e Miguel Dantas:
https://www.facebook.com/pages/Mosaico-Revista-Foco-Nordeste/232378340284728



Karina Maia é Advogada, Gastróloga e colunista  cultural da Revista FOCO NORDESTE, assinando a coluna "Mosaico", juntamente com Miguel Dantas. Atualmente cursa especialização em Alta Gastronomia pela FPB, em João Pessoa.


1 - Nota: Segundo o renomado dicionário de Portugal, Caldas Aulete, Alamoa é um termo do folclore de Fernando de Noronha que se refere a uma "mulher lendária, fantasmagórica, branca e loura, que à noite aparece nua para os pescadores da ilha e, ante os incautos que se aproximam, se converte em esqueleto".


Fonte: : http://www.aulete.com.br/alamoa#ixzz3c8iFQlUe



REFERÊNCIAS:


Sobre a BAÍA DO SANCHO:

http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2015/02/baia-do-sancho-em-noronha-e-eleita-melhor-praia-do-mundo-pela-2-vez.html

Sobre CÂMARA CASCUDO:

INSTITUTO CÂMARA CASCUDO: http://www.cascudo.org.br/biblioteca/vida/biografia/
http://www.infoescola.com/biografias/luis-da-camara-cascudo/
Artigo bastante profundo sobre o Mestre Cascudo: http://www.historiaecultura.pro.br/modernosdescobrimentos/desc/cascudo/cascudoparadescobrir.htm


Sobre os GOLFINHOS: 

http://www.guiadepraias.com.br/ponto.php?id=78

Sobre o  MAPA DE FERNANDO DE NORONHA:

http://www.ilhadenoronha.com.br/ailha/mapa_noronha.php

Sobre CARLA PRATA:

Site da artista: http://www.carlaprata.com.br/#!sobre/cb0c
http://www.portaldoholanda.com.br/famosos/carla-prata-curte-lua-de-mel-em-fernando-de-noronha

Sobre ROBERTHA PORTELLA: 

http://gshow.globo.com/programas/domingao-do-faustao/Bale-do-Faustao/noticia/2012/01/robertha-portella-mostra-corpao-sarado-em-fernando-de-noronha.html




PARA SABER MAIS:


Características do Arquipélago:

http://www.oeco.org.br/reportagens/25011-fernando-de-noronha-o-paraiso-ameacado

http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?codmun=260545&search=%7Cfernando-de-noronha&lang=

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_de_Noronha



domingo, 15 de fevereiro de 2015

EM ENTREVISTA BOMBÁSTICA, A VEDETE DO BRASIL REVELA: "GETÚLIO VARGAS FOI ASSASSINADO!!




Segundo a amante, o casal estava na cama na hora da morte que surpreendeu o país

Figura lastimavelmente esquecida de um país sem memória histórica e artística, o nome de Virgínia Lane[1]  é sinônimo de Carnaval. Nasceu em (1920) e morreu (2014, ano passado) no mês da festa que simboliza o Brasil. Foi  atriz, cantora e vedete brasileira – nome dado às atrizes do Teatro de Revista[2].  Lançou uma série de marchinhas carnavalescas – dentre as quais a mais famosa é “Sassaricando”, tocada até hoje no Carnaval!! – e fez sucesso no cinema, teatro e televisão.

 1955- Encontro de duas grandes estrelas

Virgínia Lane e Carmen Miranda (a pequena notável) -1909/1955


A despeito de tudo isso, Virgínia Lane entrou mesmo para a História por ter se tornado a célebre – e   última! – amante do Presidente Getúlio Dornelles Vargas, o Presidente que mais tempo governou o Brasil (foram 2 períodos:1930-1945 e 1951-1954) Mas ela não foi uma amante qualquer.

Virgínia Lane, em fotografia da exposição "Vedetes em Revista - Teatro de Revista", da Caixa Cultural, São Paulo, 2007 



         Além de famosa, Virgínia entrava no Palácio pela porta da frente, fez viagens com Getúlio (acompanhada até por Gregório Fortunato, [o "anjo negro"], o guarda-costas do Presidente, que anos depois seria preso e esfaqueado na prisão, por queima de arquivo) para o exterior, onde [segundo o colunista Aroldo Murá Haygert], chegou a assinar contratos para apresentações, como fez em Portugal.

Entre a elegância (imagem a esquerda) e a sensualidade (a direita): o fato é que Virgínia Lane se tornou  a Vedete do Brasil


Ela chegou a receber o título de “A Vedete do Brasil”, dado pelo próprio Presidente!  Em suma, frequentou mais o Palácio do Catete do que muito Ministro de Estado!!
     Segundo o site da uol, "Virgínia Lane participou de 37 filmes e chegou a montar sua própria companhia para levar o teatro de Revista em todo o Brasil. Entre os trabalhos, um dos mais marcantes foi "Anjo no Lodo", onde protagonizou o que foi considerado o primeiro nu não frontal do cinema brasileiro".

Virgínia Lane: segundo Roberto Canázio, a dona das pernas que enlouqueceram o Presidente Getúlio Vargas (1882 - 1954)


Com a morte de Getúlio Vargas, ocorrida em 1954, Virgínia Lane se afastou dos holofotes da política, evitando sistematicamente se manifestar sobre o assunto. Pois bem, como ironia do destino, 52 anos e meio depois da morte do Estadista – que abriu a maior crise política de todo o século XX – e também no clima do Carnaval de 2007, em uma entrevista ao locutor Roberto Canázio da Rádio Globo, “lá pelas tantas”,  falando sobre amenidades artísticas, eis que  repentinamente  a Vedete do Brasil dispara uma declaração bombástica: Getúlio foi assassinado!

Acompanhe na íntegra, (ouçam tudo!!!) a entrevista da cantora a Rádio Globo:






E você, o que acha de tudo isso: Getúlio Vargas se suicidou ou foi assassinado? Seja como for, diante de tantas versões e controvérsias, pelo menos uma coisa Virgínia provou: que uma entrevista de Carnaval pode render uma senhora aula de História...

Deixe seu comentário, nosso bate-papo começa agora!

Abraços Cabralinos =)
                 Cabral Lima

Cabral Lima é acadêmico de História do oitavo período da UFRN.




SUGESTÃO PARA PESQUISA:

http://www.elbufon.com.br/17_virginia_lane.htm - Esse site é repleto de fotos, e possui alguns vídeos da artista.

[1] Virgínia Lane é o nome artístico. O nome verdadeiro dela é Virgínia Giaccone.  A informação é do jornal “Folha de São Paulo”.

[2] “Revista é um género de teatrode gosto marcadamente popular, que teve alguma importância na história das artes cénicas, tanto no Brasil como em Portugalque tinha como caracteres principais a apresentação de números musicais, apelo à sensualidade e a comédia leve com críticas sociais e políticas, e que teve seu auge em meados do século XX.Fonte: Wikipédia.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

CUBA À (VEREADORA) BRASILEIRA?



Olá, meus caros amantes da História! Tudo maravilha?

Hoje quem vai escrever pra vocês é o meu colega Felipe Tavares. Trata-se de um artigo muito interessante sobre um Mapa de um Brasil totalmente reconfigurado, fragmentado e despedaçado por sentimentos separatistas fruto de um pensamento colonizado.Ele relaciona esse modo de pensar com a Guerra Civil de 1932.

 O post está ótimo, confiram!!!

E você, o que acha do pensamento colonizado??? 
Deixe seu comentário pro Felipe ler e falar com vocês abaixo do post! 
O texto é dele; só o título é meu!
Abraços Cabralinos =)
Cabral Lima

CUBA À (VEREADORA) BRASILEIRA?


Por Felipe Tavares

Hoje, voltando para casa, encontrei um amigo que me contou que esse mapa, que eu conhecia, havia sido formulado por uma vereadora do município de Natal. A primeira vez que vi essa representação, achei que era apenas mais uma obra de ignorância da humanidade e, portanto, ignorei-o.
Entretanto, após descobrir que ele foi formulado por uma de nossas legisladoras, detive-me mais em pensar a respeito e reparei que eu havia iniciado a leitura de um exemplar da Revista de História da Biblioteca Nacional que ajudava a explicar historicamente o pensamento de Eleika Bezerra.
O exemplar em questão trata de uma guerra civil ocorrida no Brasil nos anos 1930. Sim, amigos e amigas, o Brasil passou por uma guerra civil, ao contrário do que se diz e se pensa.
Ela ocorreu mais precisamente no ano de 1932 e colocou de um lado o governo provisório de Getúlio Vargas e, de outro, o estado de São Paulo, que naquele momento pegou em armas e foi para o front a fim de exigir que o novo presidente do país formulasse uma Constituição que limitasse seus poderes e que protegesse o modelo federativo, enfraquecido com o golpe de 1930.
         Nessa ocasião, os paulistas lutaram contra o restante dos estados brasileiros e passaram a pedir que seus cidadãos doassem especialmente ouro para financiar a batalha. Não foram poucos os que chegaram com colares, brincos e, principalmente, alianças que logo foram derretidos, transformados em barras e depois em balas.
         O sentimento entre muitos paulistas era o de que São Paulo era a "locomotiva do país", ou seja, era um polo econômico que sustentava financeiramente toda a nação. Por isso, seus desejos políticos não poderiam ser ignorados, deveriam ser ouvidos e seguidos. Não fosse São Paulo, o país seria mais pobre do que já era e não teria tipo algum de modernidade; seria apenas atraso econômico e social.
         Outras pessoas de outras regiões, no entanto, pensavam diferente. Na região hoje conhecida por Nordeste e também no Norte havia o sentimento de que Getúlio Vargas praticara um tipo de equilíbrio de poder mais justo, abrindo a possibilidade para que estados mais pobres tivessem maior expressão de nível nacional, o que antes era dificultado pelo poderio de São Paulo, de onde vinha a maior parte dos presidentes.
Além disso, as camadas mais pobres enxergavam em Vargas alguém que beneficiava as populações do interior do Nordeste através de obras de combate à seca promovidas por um órgão chamado DNOCS.
         Em períodos de estiagem, eram destinadas verbas pelo governo federal para os governos locais que serviam para gerar empregos, evitar a migração e combater a fome. A construção de estradas e prédios públicos foi uma das estratégias adotadas para se atingir esses fins. A população dessa região, também por isso, foi uma das que mais se engajou na luta contra os paulistas e não foram poucas as pessoas que se alistaram voluntariamente para combater contra o referido estado do Sudeste.
Getúlio venceu. Como se pode perceber, portanto, a vontade de uma elite paulista de se fazer ouvir a qualquer custo não consiste em novidade. Ela faz parte da história de nossa República e não é tão surpreendente para quem conhece um pouco de História.
 Mas eu não poderia encerrar esse humilde texto sem voltar a nossa querida vereadora. Apesar de morar em uma cidade no Nordeste, ela se rendeu a um discurso que tem muita força no Sudeste do Brasil, que é a vontade de excluir do mapa do país a nossa região pelo fato de ela haver votado maciçamente em uma determinada candidata. Aqueles que não aceitam a derrota legítima nas urnas mostram que não respeitam a democracia, que é o direito à discordância.
Mas parece que a parte mais complicada não é essa. A vereadora fez questão de revelar para o mundo ouvir que, embora legisle para uma cidade do Nordeste, o seu pensamento em parte é formulado por um pensamento muito forte na região mais rica do país. Nas ciências humanas isso tem nome. Dizemos que esse pensamento é colonizado.


https://br.noticias.yahoo.com/vereadora-em-natal--rn--prop%

Felipe Tavares é Professor de História e Mestre em História pela UFRN.